A militância petista relativizou a baixaria

Em por Camonebói
Atualizado em 15 de setembro às 11:47

Tweetar

A militância petista está reclamando de que é baixaria a campanha de Wilma de Faria relacionar Fátima Bezerra ao PT.

Fui à Wikipédia, de onde retirei o seguinte trecho:

“Filiada ao PT desde 1981, elegeu-se deputada estadual do Rio Grande do Norte por dois mandatos, em 1994, com 8.347 votos, e 1998 com 30.697 votos. Na Assembleia Legislativa potiguar, foi presidente da Comissão de Direitos Humanos e da Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Interior. Representou o Poder Legislativo potiguar no Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania e no Conselho Estadual do Meio Ambiente. Foi delegada na IV Conferência Mundial sobre a Mulher (Beijing, 1995) e no I e II Fórum Social Mundial (Porto Alegre, 2001 e 2002). Também participou do Encontro Internacional em Solidariedade às Mulheres Cubanas (Havana, 1998).

Em 2002 candidatou-se a deputada federal pelo Rio Grande do Norte e foi eleita com 161.875, foi reeleita em 2006, com 116.243 votos,7 e em 2010 com 220.355 votos8 (ano em que obteve a quinta melhor votação proporcional do país).”

Não entendi até agora onde está a baixaria.

Sei onde está o relativismo.

Oportunamente, neste domingo, a jornalista Cynara Menezes foi ao Twitter porque estava sendo atacada pela militância petista. Após rebater, arrematou: quem milita se limita.

É bem verdade.

Nesse caso, a militância se limita na perspectiva que lhe convém.

Apesar de Fátima não está envolvida em escândalos que seu partido protagoniza;

Apesar de Fátima poder desfilar por aí se gabando disso;

Apesar de Fátima não ingressar em sua campanha em ataques, ela é do PT. E tem de estar disposta a pagar o preço por ser abrigar no partido que está se notabilizando por seus feitos nada republicanos.


Empresários reclamam do tom de propaganda petista

Em por Camonebói
Atualizado em 12 de setembro às 09:14

Tweetar

Na Folha de S.Paulo

Empresários reclamam de estarem sendo vítimas de um processo de “satanização” nas propagandas do PT usadas para desconstruir a imagem da candidata do PSB à Presidência, Marina Silva.

Reservadamente, um empresário do ramo industrial disse à Folha que o setor privado está sendo retratado como inimigo dos trabalhadores e de programas sociais na propaganda do petista.

Outro, da siderurgia, reclamou que esse tipo de propaganda vai contra o discurso oficial do Palácio do Planalto de reaproximação do empresariado, descontente com a política econômica da presidente Dilma Rousseff.

Dois comerciais da campanha mostram imagens de executivos em tom de comemoração ao tratar de medidas prometidas ou aventadas por Marina. O primeiro foi gravado para atacar a proposta de independência do Banco Central feita pela principal adversária de Dilma.

O comercial mostra banqueiros sorrindo enquanto um locutor diz que a medida vai representar um risco para o emprego e o salário dos trabalhadores.

O segundo, que começou a ser veiculado nesta quinta-feira (11), diz que Marina não vai priorizar a exploração do pré-sal. Em seguida, mostra executivos apertando as mãos e comemorando, com um narrador dizendo que a decisão da candidata vai tirar R$ 1,3 trilhão da educação e da saúde no país.

Um terceiro empresário disse à Folha que “satanizar” o setor privado na eleição só vai agravar o desgaste no relacionamento do setor privado com o governo.

RACIONALIDADE

Além disso, reclamou, não vê sentido em relacionar executivos felizes com uma decisão de tirar prioridade do pré-sal. O setor privado, afirmou, quer mais leilões de campos de petróleo e não o contrário.

No caso do comercial que ataca banqueiros, um executivo do setor financeiro lembrou que há bancos que podem estar do lado de Marina, mas há outros que estão afinados com Dilma.

Em sua opinião, o PT acaba colocando todo mundo num balaio só em nome da eleição e passa a mensagem, ruim para a política econômica, de que no governo Dilma o Banco Central segue determinações políticas.

Um assessor presidencial diz que não é possível cobrar “racionalidade” durante uma campanha eleitoral e que o governo está numa guerra. Segundo ele, a prioridade é ganhar a eleição. Depois, pontes serão reconstruídas.

PEGANDO PESADO

Outro auxiliar reconhece que o tom dos comerciais petistas, feitos pelo marqueteiro João Santana, está “pegando pesado”, mas afirma que é uma forma simplificada de dizer à população o que significam as propostas de Marina.

Ele diz ainda que a presidente fez de tudo nos últimos meses para agradar e atender o empresariado e, mesmo assim, ele estaria em peso contra o governo.

Cita a avaliação ruim do governo e do PT nas pesquisas em São Paulo, centro do setor empresarial do país, como exemplo de que o empresariado decidiu ficar contra o governo.

O temor entre assessores é que o tom radical dos ataques teve de ser usado com muita antecedência para conter o crescimento da candidata do PSB, já no primeiro turno, quando o ideal era que fosse guardado para a reta final.


A verdade dói

Em por Camonebói
Atualizado em 8 de setembro às 14:52

Tweetar

No vai e vem do Motores do Desenvolvimento, na Federação das Indústrias, a governadora Rosalba Ciarlini acabara de dar entrevista aos repórteres de plantão.

Subia as escadas para ter acesso ao átrio e sair, quando um senhor, que Deus sabe de onde saiu e o que disse, fez a mandatária parar na escada e girar nos calcanhares, falando para todos ouvir.

“De jeito nenhum. A Caern? Olhe, meu senhor, saneamos a Caern em nosso governo. E ela não vai ser privatizada não”.

Desceu um degrau.

Dedo em riste.

“Saneamos a Caern para poder sanear. Viu?”. Isso posto, subiu e desapareceu.

– O que esse homem falou? – Indagou um repórter curioso, ao que outro completou:

– Para ela ter ficado desse jeito, ele deve ter dito a verdade.


Gilson Moura, o injustiçado

Em por Camonebói
Atualizado em 5 de setembro às 15:59

Tweetar

 

O deputado estadual Gilson Moura está sendo alvo de um achincalhe.

Gente, em um país sério, mesmo com provas tão robustas sobre desmandos no IPEM, isso jamais aconteceria. Mas não estamos em um país sério.

Alijaram do serviço ao povo um parlamentar de reputação inabalável.

O que será da Assembleia Legislativa sem Gilson, agora que ele foi impedido de disputar as eleições deste ano?

É um injustiça sem precedentes.

Pela fibra moral (moral?) com que aguenta esse martírio, me solidarizo com Gilson Moura.


O rompimento de Fábio Dantas

Em por Camonebói
Atualizado em 3 de setembro às 16:00

Tweetar

Não deve ser verdade que o vice de Robinson Faria, Fábio Dantas, está cogitando romper com Fátima Bezerra.

A inverdade tem relação com outra mentira: a de que o PT está fazendo corpo mole para a campanha de Robinson e só aposta na de Fátima.


Mossoró não tem doentes

Em por Camonebói
Atualizado em 2 de setembro às 15:36

Tweetar

Que cidade adorável de se morar é Mossoró. Recheada de contradições.

Tem 622 fantasmas sugando dos cofres públicos ao mesmo tempo em que nos deixa perplexos diante da constatação de que não há doentes na cidade.

Isso mesmo.

Não há doentes.

Por lá, os médicos estão sentados, esperando pelos enfermos. O fato notório foi divulgado no Instagram do prefeito da cidade, Silveira Júnior.

Parabéns a Mossoró.


Cadê o relatório, prefeito?

Em por Camonebói
Atualizado em 2 de setembro às 12:57

Tweetar

O prefeito de Mossoró, Silveira Júnior, anunciou a existência de 622 fantasmas na administração.

Trabalho de auditoria.

Mas não municiou ninguém com o relatório.

Cadê o texto com os nomes?

Por que escondê-los?

De quem se esconde?

 

 


Jogou a toalha

Em por Camonebói
Atualizado em 2 de setembro às 11:38

Tweetar

Interlocutores veem no gesto de Agripino Maia, o coordenador da campanha de Aécio Neves, uma jogada de toalha.

Ontem, o senador disse que em segundo turno o PSDB vai apoiar Marina.

Admitiu, nas entrelinhas, que não acredita que o tucano mineiro vá à segunda etapa da eleição.


Pega de surpresa

Em por Camonebói
Atualizado em 2 de setembro às 11:37

Tweetar

Após o debate entre os presidenciáveis no SBT, ontem, Marina Silva foi pega de surpresa com a declaração de José Agripino.

“Que história é essa?”, perguntou ao aliado Walter Feldman.

(Com Painel, da FSP)


Me perguntaram….

Em por Camonebói
Atualizado em 1 de setembro às 17:05

Tweetar

…se eu sei quem é o membro do primeiro escalão da Prefeitura do Natal de quem a militância feminina foge porque morre de medo de ficar a sós com ele.

É que o rapaz vai pra cima querendo sexo.

Eu disse que sabia sim quem era.