Em

Política

Pesquisa Portal No Ar/Consult: Para Senado, Wilma derrota Fátima, Henrique e Fernando

Ex-governadora do RN e presidente do PSB leva a melhor na pesquisa feita pela Consult/portalnoar.com contra os três potenciais candidatos ao Senado


Por Redação

Henrique Alves, Wilma de Faria e Fátima Bezerra foram citados na pesquisa da Consult/portalnoar.com
Henrique Alves, Wilma de Faria e Fátima Bezerra foram citados na pesquisa da Consult/portalnoar.com

Além de detalhar os atuais cenários na disputa pelo Governo do Estado e a aprovação das gestões estadual, federal e municipal, a pesquisa do Portal No Ar/Consult demonstrou também qual a situação de momento com vistas à disputa para o Senado Federal em 2014. E, na pergunta estimulada, a ex-governadora e atual vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria, do PSB, levou a melhor em todos os cenários apresentados no levantamento.

No primeiro deles, disputando a única vaga de senador federal pelo Rio Grande do Norte contra a deputada federal Fátima Bezerra, do PT, foi onde Wilma encontrou mais dificuldade. Mesmo assim, venceu com quase seis pontos percentuais (veja o gráfico ao final da matéria). A ex-gestora apareceu com 39,82% das preferências dos eleitores por ter conseguido 677 citações na pesquisa, contra 33,82% (ou seja, 575 citações) da petista.

No segundo cenário apresentado ao entrevistado pela pesquisa, Wilma conseguiu 50,47% das intenções de voto, contra a marca de 19,12% conseguida pelo presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, do PMDB.

A maior folga na liderança da atual vice-prefeita de Natal na disputa pelo Senado seria se enfrentasse o ex-ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, também do PMDB. Neste cenário, Wilma conseguiu 53,76% das intenções de voto, contra apenas 13,35% de Bezerra.

A pesquisa do Portal No Ar/Consult, realizada entre os dias 2 e 5 de novembro, também pensou em um cenário sem Wilma. A disputa seria entre Fátima e Fernando Bezerra e, nessa situação, a petista venceria por 47,35% dos votos se a eleição fosse hoje. O ex-ministro conseguiria apenas 19%.

senado

Atualizado em 6 de novembro às 22:09


Notícias relacionadas


Comentários